Al.Marcha | 21.10 > 16.12.2017

  • Print
marcha
 
PERVE GALERIA | Localização: Mapa | HORÁRIO: 3ª feira a Sábado, das 14H às 20H
Clique para ver: Catálogo
 
PT | A APPA (Associação do Património e População de Alfama), em conjunto com a Perve Galeria e a Sociedade Boa União, apresenta a partir de dia 21 de Outubro a exposição “Al.em Marcha”.
A iniciativa constitui-se como o ano zero de uma Bienal de Arte e Cultura Popular e o ponto de partida para o desenvolvimento de um projecto museológico dedicado a esta importante manifestação da cultura popular bairrista de Lisboa, as Marchas Populares.
Com subtítulo “Alfama é Marcha” e conceito artístico abrangente, “para além da Marcha”, a mostra expõe na Perve Galeria e na Sociedade Boa União, o património associado à marcha popular do bairro, produzido entre os anos de 1930 e a actualidade, a par com uma recolha imagética/fotográfica da mais recente edição das Marchas em Lisboa, e com o trabalho artístico resultante da reflexão que vários artistas contemporâneos fizeram sobre este fenómeno popular, numa realização específica e aprofundada do conceito expositivo.
Destacam-se nomes como João Ribeiro, Leonel Moura, Manuel João Vieira, Carlos Zingaro, Mimi Tavares, Sónia Aniceto, Ricardo Coxixo, Catarina Albuquerque, Joana BC, Aldo Alcota, Laura Moreno, Céu Guarda, entre vários outros. Ao nível musical, serão apresentados vários trabalhos inéditas por músicos e letristas nacionais tais como, João Monge e Manuel Paulo.
Em causa, está uma reflexão que vai muito “Além da Marcha” e que se prende com a necessidade de refletir sobre manifestações populares que tendem a desaparecer ou descaracterizar-se, se a cultura contemporânea e os artistas, poetas, músicos, e outros agentes culturais, não se apropriarem desses registos e os recontextualizarem à luz de conceitos atuais para desenvolverem formulações que possam interpelar o público, de forma surpreendente, renovando o interesse e o discurso dessas manifestações. Isto, a par com a gentrificação que se tem vindo a operar no centro histórico da cidade, decorrente da massificação do turismo, que progressivamente afasta as populações locais que tem assegurado a continuidade destas manifestações.
A exposição agrega ainda uma componente de reflexão histórica, dando a conhecer a forma como estas manifestações foram usadas e apropriadas pelos poderes políticos, antes e depois do 25 de Abril de 1974 e a forma como podem (devem?) autonomizar-se. Por fim, traduz a necessidade de preservação de uma memória e de um legado que possa ser dialogante com as novas práticas artísticas, passível de se converter em várias formulações objectivas como: candidatar esta manifestação a património imaterial nacional e, posteriormente, da humanidade. 
A iniciativa conta com a parceria da Cooperativa Trabalhar com os 99%, da Sociedade Boa União, do Museu do Fado e do MUDE.
Curadoria: Carlos Cabral Nunes, 2017.