Perve Galeria

Exposições

Exposição Antológica de Agostinho Santos |20.11 > 20.12.2014

AGO DPC BNPERVE GALERIA | Localização: mapa | HORÁRIO: 2ª feira a Sábado, das 14h às 20h

Clique para ver: Catálogo | Obras em exposição | Biografia do autor

A Perve Galeria de Alfama apresenta de 20 de Novembro a 20 de Dezembro a exposição antológica: “Agostinho Santos. Da profundidade da cor e outras matérias sensíveis”

A mostra assinala os 30 anos de percurso artístico de Agostinho Santos, sendo a primeira exposição deste histórico artista portuense a ser realizada numa galeria de arte de Lisboa.

A exposição constitui uma revisão abrangente da obra do autor, sendo cerca de setenta os trabalhos patentes - entre desenhos, pinturas, instalações e objectos artísticos – que enquadram uma reflexão em torno do seu espaço vivencial e de criação.

Valter Hugo Mãe realiza a propósito da apresentação desta mostra um interessante texto que alude precisamente a Agostinho Santos e ao espaço de criação que é o seu atelier. O texto é disponibilizado abaixo (ou AQUI).

Curadoria: Carlos Cabral Nunes

Benjamin Marques e Eurico Gonçalves em exposição | 14.10 > 15.11.2014

EU BM
CASA DA LIBERDADE - MÁRIO CESARINY e PERVE GALERIA  | Localização: mapa | HORÁRIO: 2ª feira a Sábado, das 14h às 20h
 
PERVE GALERIA de Alfama apresenta entre 14 de Outubro e 15 de Novembro, a exposição “Galáxias e Dada-Zen” com obras de Benjamin Marques e Eurico Gonçalves e curadoria de Carlos Cabral Nunes.
A exposição decorre em parceria com a CASA DA LIBERDADE - Mário Cesariny e constitui uma evocação por Eurico Gonçalves a três importantes figuras do panorama artístico nacional: o poeta e pintor Mário Cesariny; o crítico e historiador de arte recentemente desaparecido, Rui Mário Gonçalves (seu irmão) e o pintor Benjamin Marques, falecido em 2012.
Trata-se ainda da 1ª mostra póstuma de Benjamin Marques, a quem se presta merecida homenagem pelo papel desempenhado na representação de Portugal ao longo das mais de 5 décadas vividas em Paris, estando patente um importante conjunto de obras da sua autoria, algumas das quais inéditas.
De Eurico Gonçalves apresentam-se trabalhos que prepassam todas as fases da sua criação artística, com especial destaque para as que, assumindo uma estética caligráfica, revelam a sua adesão ao Surrealismo e ao Zen e que se inscrevem no domínio da renovação do abstracionismo lírico. Muitas destas obras são também inéditas, tendo como proveniência a colecção particular de Rui Mário Gonçalves.
Benjamin Marques faleceu em Paris, em 2012, onde se exilara no decurso da ditadura, após ter-lhe sido retirada a nacionalidade pelo governo de Salazar. Ali empreendeu um trajecto artístico de assinalável expressão, realizando inúmeras exposições que lhe valeram vários prémios.
Tal como Benjamin Marques, Eurico Gonçalves reivindica uma herança surrealista e é aí que reside a afinidade criativa de ambos mas não só: a presença da dimensão onírica num e a serenidade Zen noutro são também sinal de uma comunhão plástico-doutrinária.
Produto de uma adesão existencial ao surrealismo, Eurico realiza a sua pintura-escrita em gestos contínuos e automáticos, numa atitude subsidiária do automatismo psíquico puro de génese surrealista. Dela resulta um certo orientalismo que se evidência na exploração da escrita oriental na sua plasticidade e na sua componente gestual.
A relação frutífera entre surrealismo, pintura-escrita, pintura-poesia, automatismo, zenismo, sonho e gestualismo conferem a este pintores do meio artístico português uma rara qualidade.

14º Aniversário da Perve Galeria | 15 Mar - 12 Abr 2014

Clique para ver: Imagens em Alta Resolução | Catálogo14Aniv PG fc

PERVE GALERIA de Alfama e a CASA DA LIBERDADE - Mário Cesariny apresentam de 15 de Março a 12 de Abril uma exposição comemorativa, que assinala os 14 anos de existência da Perve Galeria.

Esta mostra coletiva perpassa retrospetivamente as exposições e iniciativas realizadas ao longo dos últimos 12 meses e, simultaneamente, documenta o percurso empreendido pela galeria ao longo de quase década e meia de vida desta galeria que, tendo por base um programa abrangente e ambicioso, das artes da Lusofonia, ao Surrealismo, ao experimentalismo e aos caminhos multidisciplinares da contemporaneidade, se tem vindo a afirmar progressivamente no meio artístico nacional e internacional.

CASA DA LIBERDADE - Mário Cesariny, a mais recente e importante realização da PERVE GALERIA, junta-se também à celebração, evocando e mostrando um acervo documental que retrata estes 14 anos de percurso galerístico.

Por entre pintura, objetos artísticos, instalações, filmes e documentos inéditos, o espectador é conduzido no enredo que retrata o nascimento e o desenvolvimento da galeria, os seus espaços, as suas opções estéticas e curatoriais, evidenciando-se a estruturação e sedimentação dos diferentes caminhos que a caracterizam hoje.

Assinalam-se ainda os 14 anos das edições artísticas da galeria, que somam já mais de 150 títulos lançados e aos quais se juntou recentemente o 1º Volume da monumental obra que Isabel Meyrelles realizou ao longo de 30 anos e que agora também se expõe: “Poéticas  Pós-Pessoa - Antologia do Surrealismo e suas derivações em Portugal”.

bn 14

Registo(s) de Viver de Alberto Pimenta | 21 Jan - 1 Mar 2014

APimenta registos viver capa

A CASA DA LIBERDADE - Mário Cesariny e a PERVE GALERIA de Alfama dão início à temporada de 2014 com a inauguração da exposição “Registo(s) de Viver” de Alberto Pimenta no dia 21 de Janeiro, às 18h.

Propondo a redescoberta de um autor seminal das artes performativas e do experimentalismo em Portugal sob o prisma da sua insondada e valiosíssima produção plástica, a exposição Registo(s) de Viver assume a forma de homenagem quando se consumam os 50 anos de uma carreira pautada pela abrangência de meios de expressão artística e pelo carácter crítico e irreverente.

É consensual que Alberto Pimenta é uma figura fundamental nos campos da poesia e performance, na intervenção, no pensamento e no experimentalismo,  todavia pouco se sabe do seu (intenso e imenso) labor plástico.

“Registo(s) de Viver” propõe precisamente a redescoberta de Alberto Pimenta sob o prisma da sua valiosíssima produção plástica e é fascinante constatar que as obras realizadas em 2010, agora em exibição, vão ao encontro das suas obras iniciais - produzidas nos anos 1960/70 -, ainda que utilizando técnica e expressão diferenciada.

Irradiando a pluralidade de tão vasta obra, a mostra faz-se habitar de pinturas-colagem, poesia visual, poesia fonética, ficção, crítica, happenings e performances, entre os demais géneros artísticos que permitem distinguir Alberto Pimenta como um autor de uma diversidade consistente.

Dessa diversidade nasceu também o livro objeto-artístico "Registo de viver" que agora se relança e que conjuga a edição limitada do poema homónimo com um filme em DVD da performance fonética/poética que lhe subjaz, realizada pelo autor e pela soprano Manuela Moniz no início de 2010. 

A exposição conta ainda com a intervenção de vários artistas que dão corpo ao tributo e entre os quais se destacam Fernando Aguiar e Rui Zink.

>>> Clique para ver: Imagens em Alta Resolução | Catálogo | Livro-objecto Artístico "Registo de Viver" | Dossier de Imprensa

A CASA DA LIBERDADE - Mário Cesariny e a Perve Galeria de Alfama dão início à temporada de 2014 com a inauguração da exposição “Registo(s) de Viver” de Alberto Pimenta no dia 21 de Janeiro, às 18h, propondo a redescoberta de Alberto Pimenta sob o prisma da sua insondada e valiosíssima produção plástica.

Promovendo a redescoberta da obra plástica de um autor seminal das artes performativas e do experimentalismo em Portugal, a exposição Registo(s) de Viver de Alberto Pimenta assume a forma de homenagem quando se consumam os 50 anos de uma carreira pautada pela abrangência de meios de expressão artística e pelo carácter crítico e irreverente.

É consensual que Alberto Pimenta é uma figura fundamental nos campos da poesia e performance, na intervenção, no pensamento e no experimentalismo,  todavia pouco se sabe do seu (intenso e imenso) labor plástico.

“Registo(s) de Viver” propõe precisamente a redescoberta de Alberto Pimenta sob o prisma da sua valiosíssima produção plástica e é fascinante constatar que as obras realizadas em 2010, agora em exibição, vão ao encontro das suas obras iniciais - produzidas nos anos 1960/70 -, ainda que utilizando técnica e expressão diferenciada.

Irradiando a pluralidade de tão vasta obra, a mostra faz-se habitar de pinturas-colagem, poesia visual, poesia fonética, ficção, crítica, happenings e performances, entre os demais géneros artísticos que permitem distinguir Alberto Pimenta como um autor de uma diversidade consistente.

Dessa diversidade nasceu também o livro objeto-artístico "Registo de viver" que agora se relança e que conjuga a edição limitada do poema homónimo com um filme em DVD da performance fonética/poética que lhe subjaz, realizada pelo autor e pela soprano Manuela Moniz no início de 2010. 

A exposição conta ainda com a intervenção de vários artistas que dão corpo ao tributo e entre os quais se destacam Fernando Aguiar e Rui Zink. 

Homenagem a Cesariny | 26.11 > 2.12.2013

Homenagem CSY BN1

PERVE GALERIA - ALFAMA | Localização: mapa | HORÁRIO: 2ª feira a Sábado, das 14h às 20h 

No dia 26 de Novembro, momento exacto em que passam 7 anos sobre a data da morte de Mário Cesariny, a Perve Galeria de Alfama inaugurou o 2º pólo expositivo da mostra inaugural da Casa da Liberdade com a exposição “Homenagem a Cesariny”.

Esta exposição de evocação conta com a intervenção de vários artistas que, por via da afinidade artística e da admiração nutrida por Mário Cesariny, se quiseram associar a este tributo.

O momento fica também assinalado pelo lançamento do 1º volume da obra “Poéticas Pós-Pessoa. Antologia do surrealismo e suas derivações em Portugal”. Uma edição artística bilingue, português e francês, da autoria de Isabel Mayrelles, realizada ao longo de 30 anos e que será editada em quatro volumes e enriquecida com um conjunto assinalável de múltiplos artísticos A edição tem uma tiragem de 200 exemplares assinados e numerados pelos autores.

Integra obras de:  Aldo Alcota, Alfredo Luz, Albino Moura, Carlos Zingaro, Cabral Nunes, Dorindo Carvalho, Eurico Gonçalves, Fernando Lemos, Fernando Grade, João Garcia Miguel, Joaquim Carvalho, Manuel João Vieira, Raúl Perez e da dupla Vítor Rua / Sara Maia. 

                                                                                                 Patente até 21 de Dezembro.