Perve Galeria

Exposições

Figueiredo Sobral | 17.12.2019 > 29.02.2020

 
imgpsh fullsize anim

 
 
Clique para ver:  Catálogo [ Versão PDF ]  [ Versão ISSUU ]
Galeria de Imagens [ Aqui ]
 

PT | A Perve Galeria tem a honra de apresentar a primeira exposição individual sobre o Figueiredo Sobral que apresenta a sua coleção desconhecida de obras do período dos anos 1970, altura em que o artista esteve no Brasil, durante o regime ditatorial. A inauguração decorrerá no dia 17 de dezembro às 18h e a exposição estará patente até 29 de Fevereiro de 2020 na Perve Galeria e Casa da Liberdade - Mário Cesariny.

José Maria Figueiredo Sobral nasceu em Lisboa em 1926 e faleceu na mesma cidade em 2010, aos 85 anos de idade. Artista multifacetado dominava não só a pintura como também o design gráfico, ilustração, cenografia e poesia. O artista integrou o grupo surrealista português formado por António Maria Lisboa e Mário Cesariny. Opositor do regime ditatorial de Oliveira Salazar, foi preso inúmeras vezes por razões políticas, acabou por refugiar-se no Brasil durante a década de 1970.

Esta coleção foi essencial para o percurso artístico de Figueiredo Sobral, foi nesta época que adoptou a sua paleta cromática de tons terra a qual utilizou até o fim de sua vida. Foi, também aí, que fez inúmeras experimentações recorrendo a materiais e técnicas diversos, tendo obtido resultados plásticos notáveis de caráter onírico.

A mostra composta por 108 obras do mestre surrealista português celebra a sua vida de produção artística diversificada através da sua capacidade técnica que abrange a colagem, a pintura em relevo, a escultura em metal, cerâmica, entre outros.

 

Click to view:  Catalogue PDF Version ]  ISSUU Version ]
High Resolution Images [ Here ]
 
 

EN | Perve Galeria is honored to present the first solo exhibition dedicated to Figueiredo Sobral that presents his unknown collection of artworks from the 1970s, when the artist was in Brazil, during the dictatorial regime. The inauguration will take place on December 17th at 6pm and the exhibition will be open until February 29, 2020 at Perve Galeria and Casa da Liberdade - Mário Cesariny.

José Maria Figueiredo Sobral was born in Lisbon in 1926 and deceased in the same city in 2010, at 85 years of age. A multifaceted artist, he mastered not only painting but also graphic design, illustration, scenography and poetry. The artist was part of the Portuguese surrealist group formed by António Maria Lisboa and Mário Cesariny. Opposer to the dictatorship of Oliveira Salazar, he was imprisoned numerous times for political reasons, and ended up taking refuge in Brazil during the 1970s.

This collection was essential for the artistic career of Figueiredo Sobral, it was at this point he adopted his chromatic palette of earth tones, which he used for the rest of his life. It was also there that he made numerous experiments using diverse materials and techniques, having obtained remarkable plastic results of oneiric character.

The exhibition composed by 108 pieces of the Portuguese surrealist master celebrates his life of diversified artistic production through his technical capacity that comprehends the collage, relief painting, sculpture in metal, ceramics, among others.

Exposição Antológica de Teresa Balté | 12.4 > 30.6.2018

PERVE GALERIA | Localização: Mapa | Horário: 3ª feira a Sábado, das 14H às 20H | Entrada Livre
 
PT | A Perve Galeria inaugura a 12 de abril exposição antológica de Teresa Balté (n. 1942), pintora e escritora portuguesa.
Conhecida maioritariamente pela sua obra poética e literária, Teresa Balté é também autora de uma vasta produção artística que, durante décadas, se manteve longe do olhar do público.
A presente exposição reúne cerca de 90 obras, entre desenho e pintura, da sua autoria e representa a primeira revisitação antológica da faceta artística desta importante autora portuguesa do ponto de vista linguístico.
O que mais surpreende em Teresa Balté é a aparente facilidade com que se apropria do que a rodeia para criar as suas obras. Mas se na escrita já se sentiam as marcas do quotidiano, na sua pintura, estas extravasam o imaginário e dão origem a seres, objetos e lugares com contornos surrealistas.
Com curadoria de Carlos Cabral Nunes, a mostra, com o sub-título "50 anos depois - das palavras à pintura revelada", proporciona ao público desenhos e pinturas intuitivas, com uma forte expressividade nas cores e nas formas dos fantasmas, máscaras, bichos, homens, mulheres, estrelas e flores que coabitam o imaginário de surrealismo lírico da artista.
Enquanto a escrita pode ser uma coisa tortuosa e torturante, a pintura representa para si um jogo, uma libertação que a acompanhou ao longo das cinco décadas e que é agora revelada.
Nas palavras da escritora Y. K. Centeno - autora de um dos textos de catálogo que acompanha a mostra - em Teresa Balté, na sua poesia, como na sua pintura, encontra-se “uma interrogação não satisfeita. Marca de um verdadeiro criador: pois o que depressa se satisfaz, depressa se esgota. E no seu caso o que podemos descobrir e contemplar, uma e outra vez, é o prazer da Obra Aberta: amplia, não limita.”
Patente até 30 de junho de 2018.  Curadoria: Carlos Cabral Nunes. 
 
 Banner TB-prolongamento
 
 
PERVE GALERIA | Hours & Admission: Tuesday to Saturday - 2:00 p.m.-8:00 p.m. | Free Admission | Getting here: map
Click here to view: Catalog | Press Clipping | High-resolution images
 
EN | Perve Galeria opens on April 12 an anthological exhibition of Teresa Balté (born in 1942), a Portuguese painter and writer.
Known mostly for her poetic and literary work, Teresa Balté is also the author of a vast artistic production that, for decades, has remained far from the public eye.
This exhibition brings together about 90 works, including drawings and paintings, and represents the first anthological revision of the artistic facet of this important Portuguese author, from a linguistic point of view.
What is most surprising in Teresa Balté is the apparent easy way she appropriates what surrounds her to create her works. But if in her writing was possible to feel the marks of daily life, in her painting, these go beyond the imaginary and give rise to beings, objects and places with surrealist contours.
Curated by Carlos Cabral Nunes, the exhibition, with the subtitle “50 years later - from words to the revealed painting”, shows intuitive drawings and paintings, with a strong expressiveness in the colors and shapes of ghosts, masks, animals, men, women, stars and flowers that coexist in the artist's lyrical surrealism imaginary.
While writing can be a tortuous and torturous thing, painting represents for her a play, a liberation that has accompanied her over five decades and that is now revealed.
In the words of the writer Y. K. Centeno - author of one of the catalogue texts - in Teresa Balté, in her poetry, as in her painting, one finds "an unsatisfied question. The mark of a true creator: as what soon satisfies, soon exhausts itself. And in her case what we can discover and contemplate, again and again, is the pleasure of the Open Work: it enlarges, it does not limit." 
Until June 30, 2018. Curator: Carlos Cabral Nunes.

Al.Marcha | 21.10 > 16.12.2017

marcha
 
PERVE GALERIA | Localização: Mapa | HORÁRIO: 3ª feira a Sábado, das 14H às 20H
Clique para ver: Catálogo
 
PT | A APPA (Associação do Património e População de Alfama), em conjunto com a Perve Galeria e a Sociedade Boa União, apresenta a partir de dia 21 de Outubro a exposição “Al.em Marcha”.
A iniciativa constitui-se como o ano zero de uma Bienal de Arte e Cultura Popular e o ponto de partida para o desenvolvimento de um projecto museológico dedicado a esta importante manifestação da cultura popular bairrista de Lisboa, as Marchas Populares.
Com subtítulo “Alfama é Marcha” e conceito artístico abrangente, “para além da Marcha”, a mostra expõe na Perve Galeria e na Sociedade Boa União, o património associado à marcha popular do bairro, produzido entre os anos de 1930 e a actualidade, a par com uma recolha imagética/fotográfica da mais recente edição das Marchas em Lisboa, e com o trabalho artístico resultante da reflexão que vários artistas contemporâneos fizeram sobre este fenómeno popular, numa realização específica e aprofundada do conceito expositivo.
Destacam-se nomes como João Ribeiro, Leonel Moura, Manuel João Vieira, Carlos Zingaro, Mimi Tavares, Sónia Aniceto, Ricardo Coxixo, Catarina Albuquerque, Joana BC, Aldo Alcota, Laura Moreno, Céu Guarda, entre vários outros. Ao nível musical, serão apresentados vários trabalhos inéditas por músicos e letristas nacionais tais como, João Monge e Manuel Paulo.
Em causa, está uma reflexão que vai muito “Além da Marcha” e que se prende com a necessidade de refletir sobre manifestações populares que tendem a desaparecer ou descaracterizar-se, se a cultura contemporânea e os artistas, poetas, músicos, e outros agentes culturais, não se apropriarem desses registos e os recontextualizarem à luz de conceitos atuais para desenvolverem formulações que possam interpelar o público, de forma surpreendente, renovando o interesse e o discurso dessas manifestações. Isto, a par com a gentrificação que se tem vindo a operar no centro histórico da cidade, decorrente da massificação do turismo, que progressivamente afasta as populações locais que tem assegurado a continuidade destas manifestações.
A exposição agrega ainda uma componente de reflexão histórica, dando a conhecer a forma como estas manifestações foram usadas e apropriadas pelos poderes políticos, antes e depois do 25 de Abril de 1974 e a forma como podem (devem?) autonomizar-se. Por fim, traduz a necessidade de preservação de uma memória e de um legado que possa ser dialogante com as novas práticas artísticas, passível de se converter em várias formulações objectivas como: candidatar esta manifestação a património imaterial nacional e, posteriormente, da humanidade. 
A iniciativa conta com a parceria da Cooperativa Trabalhar com os 99%, da Sociedade Boa União, do Museu do Fado e do MUDE.
Curadoria: Carlos Cabral Nunes, 2017.

Triple F Land | 06.06 > 15.07.17

TripleFland Bn1
PERVE GALERIA | Localização: Mapa | HORÁRIO: 2ª feira a Sábado, das 14H às 20H
 

PT | A Perve Galeria inaugura a 6 de Junho "Triple F Land / Na terra do Triplo F". Uma exposição que parodia com a noção (herdada do estado Novo) da terra dos três F’s, numa altura em que parecem ter estado de regresso com redobrado fervor - dados os acontecimentos mediáticos e mobilizadores do passado dia 13 de Maio, especialmente com a vinda do Papa Francisco a Portugal no âmbito do centenário das agora designadas Visões de Fátima. Por outro lado, apresenta-se uma perspetiva feminina de ver o mundo na contemporaneidade mas também, socorrendo-se de práticas mais antigas, se procura colocar em evidência as “formas e a figuração no feminino”. Trata-se, assim, de uma mostra coletiva que integra a obra de artistas mulheres, que se expressam artisticamente mantendo a identidade de género que as caracteriza, conjugando autoras de vários países, algumas cujas obras integram há muito o acervo da Perve Galeria, fruto de exposições realizadas há mais de uma década. Outras obras, pelo contrário, foram criadas especificamente para esta exposição, como as de Ana Maria e, noutros casos ainda, são incorporadas obras de artistas que expõem pela primeira vez na Perve Galeria, como são os casos de Sónia Aniceto e de Maryam Al Qassimi, autoras que serão objeto de mostras individuais a acontecer proximamente. Patende até 15 de Julho. Curadoria: Carlos Cabral Nunes.

THE ART ist PRESENT by Regina Frank | 2.11 > 17.12.2016

“THE ART ist PRESENT”
Perve Galeria | Localização: MapaHORÁRIO: 2ª feira a Sábado, das 14H às 20H
 

PT |  A Perve Galeria  inaugura a 2 de Novembro a exposição de Regina Frank "THE ART ist PRESENT".  Regina Frank tem exposto as suas obras sob o título “The Artist is Present” desde 1989, em museus e espaçospúblicos. Marina Abramović, artista que em 2010 usou este título para uma exposição-performance muito aclamada no MOMA, em Nova York, tinha publicado o trabalho de Regina em 2004 e conhecia o livro homónimo lançado anos antes pela autora. Inspirada nisso, Regina Frank decidiu que “The Artist is Present” se tornaria “The Art is Present”, a partir de 2015, acolhendo a ideia de que a vida é cada vez menos pessoal e colocando o foco na arte e não sobre o artista: indo mais longe e mais fundo no presente da presença e sobre o dom do artista. A linguagem visual de Regina Frank, falada principalmente através de texto e têxteis, revela um processo meditativo, explorando redes internas e externas, bem como questões políticas, culturais, espirituais. As suas obras abrangem um campo de tensão entre o virtual e o real, o analógico e o digital, vindo a refletir sobre fenómenos de natureza social em instalações site specific. Ao longo de mais de 20 anos, tem desenvolvido uma série de performances inéditas. A presente exposição na Perve Galeria apresenta o trabalho da artista de forma transversal e antológica, algo que acontece pela primeira vez em Portugal. Curadoria: Carlos Cabral Nunes.

 reginafrank ban
 
Perve Galeria | Hours & Admission: Monday to Saturday - 2:00 p.m.-8:00 p.m. | Getting here: map
Click here to view: Catalog | Displayed Artworks | High-resolution images
 

 EN | Perve Gallery opens on 2 November the exhibition of Regina Frank "THE ART PRESENT ist". Regina Frank has exhibited his works under the title "The Artist is Present" since 1989 in museums and espaçospúblicos. Marina Abramović, the artist who in 2010 used this title for a much acclaimed exhibition-performance at MOMA in New York, had published Regina's work in 2004 and knew the homonymous book published years earlier by the author. Inspired by this, Regina Frank decided that "The Artist is Present" would become "The Art is Present," from 2015, accepting the idea that life is becoming less personal and putting the focus on the art and not the artist : going further and deeper into the gift of presence and about the artist's gift. The visual language of Regina Frank, spoken mainly through text and textiles, reveals a meditative process, exploring internal and external networks as well as political, cultural, spiritual. His works cover a field of tension between the virtual and the real, analog and digital, been reflecting on phenomena of social nature in site specific installations. For over 20 years, it has developed a series of previously unreleased performances. This exhibition at Perve Gallery presents the work of artist and cross anthological way, something that happens for the first time in Portugal. Curator: Carlos Cabral Nunes.