Perve Galeria

Exposições e Iniciativas

Tributo a Cruzeiro Seixas | Cruzeiro Seixas Tribute

banner construir

Construir o Nada Perfeito | Build the Perfect Nothing

PT| A mostra, patente ao público até 19 de dezembro, estará disponível para visitas, com entrada livre, na Casa da Liberdade - Mário Cesariny, por marcação prévia através do link: https://www.eventbrite.pt/e/119897335157.

No âmbito do centenário do nascimento do artista Cruzeiro Seixas e do Ciclo Comemorativo do 20º aniversário da Perve Galeria em Alfama, a Casa da Liberdade - Mário Cesariny apresentará a Vernissage da exposição "Construir o Nada Perfeito" no próximo sábado, dia 19 de setembro entre as 15h e 21h. A inauguração contará com a presença de Suas Excelências Senhor Presidente da República e Senhora Ministra da Cultura, em conjunto com outros membros do Estado.

 

EN| The exhibition will be available for visits until December, 19th, you may book your free visit here: https://www.eventbrite.pt/e/119650300269/.

Celebrating the portuguese master Cruzeiro Seixas centennary and Perve Galeria's 20th anniversary, Perve Galeria present the "Build the Perfect Nothing" exhibition opening from 3pm to 9pm on Saturday, September, 19thThe Vernissage will have the presence of the Portuguese Republic President and the Portuguese Culture Minister.

 

Catálogo da Exposição Exhibition CatalogueClique aqui / Click here  Catálogo ISSUU ISSUU Catalogue [ Clique aqui / Click here ]

Ler + / Read + Tributo a Cruzeiro Seixas | Cruzeiro Seixas Tribute

Figueiredo Sobral | 17.12.2019 > 29.02.2020

Figueiredo Sobral 

 
CASA DA LIBERDADE – MÁRIO CESARINY e PERVE GALERIA | Local: Alfama | Horário: 3ª feira a Sábado, das 14H às 20H
Clique para ver:  Catálogo [ Versão PDF ]  [ Versão ISSUU 
Galeria de Imagens [ Aqui ]
 

PT | A Perve Galeria tem a honra de apresentar a primeira exposição individual sobre o Figueiredo Sobral que apresenta a sua coleção desconhecida de obras do período dos anos 1970, altura em que o artista esteve no Brasil, durante o regime ditatorial. A inauguração decorrerá no dia 17 de dezembro às 18h e a exposição estará patente até 29 de Fevereiro de 2020 na Perve Galeria e Casa da Liberdade - Mário Cesariny.

José Maria Figueiredo Sobral nasceu em Lisboa em 1926 e faleceu na mesma cidade em 2010, aos 85 anos de idade. Artista multifacetado dominava não só a pintura como também o design gráfico, ilustração, cenografia e poesia. O artista integrou o grupo surrealista português formado por António Maria Lisboa e Mário Cesariny. Opositor do regime ditatorial de Oliveira Salazar, foi preso inúmeras vezes por razões políticas, acabou por refugiar-se no Brasil durante a década de 1970.

Esta coleção foi essencial para o percurso artístico de Figueiredo Sobral, foi nesta época que adoptou a sua paleta cromática de tons terra a qual utilizou até o fim de sua vida. Foi, também aí, que fez inúmeras experimentações recorrendo a materiais e técnicas diversos, tendo obtido resultados plásticos notáveis de caráter onírico.

A mostra composta por 108 obras do mestre surrealista português celebra a sua vida de produção artística diversificada através da sua capacidade técnica que abrange a colagem, a pintura em relevo, a escultura em metal, cerâmica, entre outros.

 

FREEDOM'S HOUSE – MÁRIO CESARINY & PERVE GALERIA | Location: Lisbon | Tuesday to Saturday, from 2pm to 8pm
Click to view:  Catalogue [ PDF Version ]  [ ISSUU Version   
High Resolution Images [ Here ]
 
 

EN | Perve Galeria is honored to present the first solo exhibition dedicated to Figueiredo Sobral that presents his unknown collection of artworks from the 1970s, when the artist was in Brazil, during the dictatorial regime. The inauguration will take place on December 17th at 6pm and the exhibition will be open until February 29, 2020 at Perve Galeria and Casa da Liberdade - Mário Cesariny.

José Maria Figueiredo Sobral was born in Lisbon in 1926 and deceased in the same city in 2010, at 85 years of age. A multifaceted artist, he mastered not only painting but also graphic design, illustration, scenography and poetry. The artist was part of the Portuguese surrealist group formed by António Maria Lisboa and Mário Cesariny. Opposer to the dictatorship of Oliveira Salazar, he was imprisoned numerous times for political reasons, and ended up taking refuge in Brazil during the 1970s.

This collection was essential for the artistic career of Figueiredo Sobral, it was at this point he adopted his chromatic palette of earth tones, which he used for the rest of his life. It was also there that he made numerous experiments using diverse materials and techniques, having obtained remarkable plastic results of oneiric character.

The exhibition composed by 108 pieces of the Portuguese surrealist master celebrates his life of diversified artistic production through his technical capacity that comprehends the collage, relief painting, sculpture in metal, ceramics, among others.

Reviver "Os Surrealistas" em Lisboa, 70 anos depois | 26.6 > 7.9.2019

OsSurrealistas70-Bn2

 

Inaugura dia 26 de junho, 18h, a primeira exposição do ciclo "Os Surrealistas", com um tributo a Cruzeiro Seixas intitulado "Construir o Nada Perfeito", no atmosfera m Lisboa (Associação Mutualista Montepio, R. Castilho, nº5).

O ciclo decorre por ocasião da celebração dos 70 anos sobre a 1.ª exposição do anti-grupo surrealista português “Os Surrealistas”, fundado por Cruzeiro Seixas e Mário Cesariny, acompanhados pelos demais artistas que, na década de 40 do século XX, operaram em Lisboa a maior revolução cultural que o país experimentou na época.

Recordando a célebre exposição que, em 1949, teve lugar na sala de projeções da Pathé Baby, junto à Sé de Lisboa, pretende-se, desta forma, homenagear os membros daquele anti-grupo surrealista português e todos os outros autores que, por via da afinidade artística e intelectual, com eles estabeleceram uma relação nas décadas posteriores.

Sob a curadoria do diretor artístico da Casa da Liberdade - Mário Cesariny, Carlos Cabral Nunes, apresenta-se um conjunto de obras históricas, provenientes da coleção desta instituição, a par com documentação original, em vários suportes, relativa a este movimento artístico, ímpar no contexto nacional.

Ler mais: Reviver "Os Surrealistas" em Lisboa, 70 anos depois | 26.6 > 7.9.2019

"W.R.S." - 5.º aniversário da Casa da Liberdade - Mário Cesariny | 02.11 > 22.12.2018

WRS banner
 
 
CASA DA LIBERDADE – MÁRIO CESARINY e PERVE GALERIA | Localização: Mapa | Horário: 3ª feira a Sábado, das 14H às 20H

 

PT | A 2 de novembro, no dia em que cumpre o 5º aniversário da Casa da Liberdade - Mário Cesariny e em que passam 12 anos sobre a última exposição do poeta e pintor surrealista Mário Cesariny de Vasconcelos, ocorrida na Galeria Perve, as duas instituições abrem as portas conjuntamente para acolher a exposição coletiva "WRS | Resistence, Revolution and Sunflower (the dreamers effect)", que pretende refletir sobre as múltiplas guerras, não apenas as bélicas, que assolam a nossa vivência nas sociedades contemporâneas globalizadas.
Subintitulada Resistência, Revolução e Girassol (o efeito dos sonhadores), a mostra reúne autores provenientes de diversas latitudes que têm demonstrado, ao longo do seu percurso artístico, uma constante atitude de inquietação perante o estado do mundo e os sucessivos conflitos que vão deflagrando.
O mote desta exposição parte do projeto "War is Stupid" que foi iniciado em 2015 por Tchalé Figueira, autor cujo trabalho, desenvolvido a partir de Cabo-Verde, tem alcançado projeção internacional. A série aqui exposta reúne pinturas de grande dimensão que retratam a visão pessoal do artista sobre as atrocidades da guerra.
Para além da guerra belicista evocada por este autor, a presente exposição procura refletir igualmente sobre as guerras de cariz ambiental, cultural, económico, político e social que afetam cada vez mais os cidadãos a uma escala e com efeitos nunca antes vistos, na história planetária, ameaçando profundamente a nossa existência futura. Para tal, apresenta-se uma seleção de obras que trazem consigo mensagens de evidência sobre esses conflitos passados e atuais mas também, através de multifacetadas proposições artísticas, os autores procuram estimular uma mudança na sociedade ou, pelo menos, consciencializar a população para as guerras que hoje proliferam a vários níveis e para as quais as suas vozes não podem ser silenciadas, procurando soluções válidas e perenes para as problemáticas que se colocam, não exclusivamente, às democracias ocidentais.
Do conjunto de obras agora mostradas, destacam-se trabalhos reivindicativos de Manuel Figueira, que nos inserem na guerra de libertação de Cabo Verde; de Suekí e André de Castro, em forma de manifesto contra as estruturas governamentais em Angola; ou de Mário Macilau, que advertem para as condições desumanas das crianças de rua em Moçambique. O resultado é, assim, um diálogo entre a arte e o ativismo nas salas de exposição em Alfama.
De acordo com o curador da mostra, Carlos Cabral Nunes, a exposição representa não só uma reflexão artística sobre a temática, mas também "um apelo à resiliência, resistência e insubmissão de todos os cidadãos que querem ser livres, que são democratas e prezam uma sociedade evoluída, plural e inclusiva".
Decorrida a eleição presidencial no Brasil, que transformou aquele imenso país num palco infeliz de confrontos e divisão civil e política, será determinante refletir sobre as origens desses conflitos e apontar formas de superação das problemáticas que se colocam ali mas também, de maneira abrangente, interferem com realidade contemporânea global de todos os seres, já que as suas implicações tenderão a estender-se também às temáticas ligadas à sustentabilidade e ecologia afectando, por inerência todo o planeta.
"WRS | Resistence, Revolution and Sunflower (the dreamers effect)", é "também uma exposição-manifesto de apoio a todos os brasileiros que querem permanecer livres e a viver num estado de direito democrático livre e plural", acrescenta o curador, sublinhando que "a mostra procura relevar a esperança necessária em momentos como este, reunindo igualmente um núcleo de obras que visa, precisamente, funcionar como uma luz, no fundo deste túnel onde, subitamente, nos colocaram".

A exposição pode ser vista na Casa da Liberdade - Mário Cesariny e na Perve Galeria até 22 de dezembro de 2018.

Conceito e curadoria: Carlos Cabral Nunes.


Artistas participantes: Abraão Vicente (Cabo Verde); Alberto Chissano (Moçambique); Alex da Silva (Cabo Verde/Angola); André de Castro (Brasil); Ernesto Shikhani (Moçambique); Fernando Aguiar (Portugal); Jayme Reis (Brasil); Javier Félix (Colômbia); João Ribeiro (Portugal); José Chambel (São Tomé e Príncipe); Mário Macilau (Moçambique); Malangatana (Moçambique); Manuel Figueira (Cabo Verde); Marya Al Qassimi (Emirados Árabes Unidos); Miguel Huerta (Chile); Tchalé Figueira (Cabo Verde); Suekí (Angola); entre outros.
 

  

FREEDOM'S HOUSE – MÁRIO CESARINY and PERVE GALERIA | Getting here: Map | Opening hours: From Tuesday to Saturday, 2 pm - 8 pm
Click here to see: Catálog | High-resolution Images
 

EN | On November 2, marking the fifth anniversary of Freedom's House - Mário Cesariny and 12 years after the last exhibition of the poet and surrealist painter Mário Cesariny de Vasconcelos, held at Perve Galeria, the two institutions open their doors to host the collective exhibition "WRS | Resistence, Revolution and Sunflower (the dreamers effect)".

The exhibition aims to reflect on the multiple wars, not just the warlike ones, that desolate our experience in contemporary globalized societies, bringing together authors from different latitudes who have shown throughout their artistic path a constant attitude of concern for the state of the world and the successive conflicts that are emerging.
"War is Stupid" is the project that served as the motto for this exhibition and was started in 2015 by Tchalé Figueira, an author whose work, developed from Cape Verde, has reached international projection. The series presented here brings together large paintings depicting the artist's personal vision on the atrocities of war.
In addition to the warmongering war evoked by this author, this exhibition seeks to reflect on the environmental, cultural, economic, political and social wars that increasingly affect citizens on a scale and with effects never seen before in planetary history, profoundly threatening our future existence. Thereby, displayed is a selection of artworks that bring with them messages of evidence about these past and present conflicts, but also authors who, through multifaceted artistic propositions, seek to stimulate a change in society or, at least, to raise public awareness of the wars that now proliferate at various levels and for which their voices cannot be silenced, pursuing valid and perennial solutions to the problems that are placed, not exclusively, in Western democracies.
From the set of artworks now shown, stand out Manuel Figueira's claiming artworks, which put us in the liberation war of Cape Verde; by Suekí and André de Castro, in the form of a manifesto against government structures in Angola; or by Mário Macilau, which warn of the inhumane conditions of street children in Mozambique. The result is, therefore, a dialogue between art and activism in the exhibition halls in Alfama.
According to the curator Carlos Cabral Nunes, the exhibition represents not only an artistic reflexion on the theme, but also "an appeal to the resilience, resistance, and insubmission of all citizens who want to be free, who are democrats and who value an evolved, plural and inclusive society".
After the presidential election in Brazil, which has transformed that immense country into an unhappy stage of confrontation and civil and political division, it will be decisive to reflect on the origins of these conflicts and to point out ways of overcoming the problems that arise there, but also, in a comprehensive way, interfere with a global contemporary reality of all beings, since its implications will also tend to extend to issues related to sustainability and ecology, affecting the entire planet.
"WRS | Resistence, Revolution and Sunflower (the dreamers effect)" is "also a clear statement of support for all Brazilians who want to remain free and live in a free and pluralistic democratic state of law", adds the curator, highlighting that "the exhibition seeks to reveal the necessary hope in times like this, also bringing together a nucleus of works that precisely aims to function as a light, at the bottom of this tunnel where they suddenly put us".
The exhibition can be seen at Freedom's House - Mário Cesariny and Perve Galeria until December 22, 2018.
Curated by Carlos Cabral Nunes.

Exposição “Colaborativa.mente” | 25.4 > 30.6.2018

Banner VHM-CS-prolongamento 

CASA DA LIBERDADE – MÁRIO CESARINY | Localização: Mapa | Horário: 3ª feira a Sábado, das 14H às 20H

Clique para ver: Catálogo | Imagens em Alta Resolução | Dossier de Imprensa

 

PT | Cruzeiro Seixas e Valter Hugo Mãe, juntam-se no dia 25 de abril para inaugurar uma nova exposição na Casa da Liberdade - Mário Cesariny.

“Colaborativa.mente” dá a conhecer o resultado do encontro entre estes dois nomes cimeiros da cultura contemporânea, colocando em destaque um núcleo inédito de 6 obras realizadas em composição conjunta.

Inspirados pelos processos participativos, recorrentes entre os membros do movimento surrealista, acérrimos amantes do acaso objetivo, do automatismo psíquico puro e das manifestações do inconsciente enquanto forma impulsionadora da produção artística, Cruzeiro Seixas e Valter Hugo Mãe empreenderam, para esta exposição, um caminho criativo conjunto, onde é possível ressaltar a importância do papel da sensibilidade poética que inevitavelmente os une.

Embora Cruzeiro Seixas se tenha celebrizado como autor de uma obra eminentemente mais plástica, é também pública e declarada a sua especial devoção pela poesia como forma de expressão. Da poesia não só é autor como, tantas vezes, é dela que faz uso para definir a sua pintura.

Numa posição diametralmente oposta, foi através de uma compósita diversidade de obras no campo da produção literária e poética que Valter Hugo Mãe se tornou, aos olhos do público, um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. Foi essa a dimensão que o uniu primeiramente a Cruzeiro Seixas, cuja obra poética editou, em tempos, enquanto cofundador das edições Quasi.

Uma obra plástica floresce, no entanto, também, nos espaços da intimidade produtiva de Valter Hugo Mãe, onde tem permanecido resguardada, para se mostrar muito pontualmente. É essa construção que nos é agora permitida ver.

Para além das composições colaborativas que são fruto direto deste encontro e que se assumem como suportes artísticos e conceptuais de um diálogo que os dois artistas propõem a si mesmos e à contemporaneidade portuguesa, a presente exposição coloca também em foco a profícua e individual produção artística de Valter Hugo Mãe.

Dele apresenta-se a sua obra mais intimamente resguardada e de Cruzeiro Seixas aquela que desde a fundação da Casa da Liberdade - Mário Cesariny (2013) a tem vindo a habitar.

A mostra foi pensada desde a sua génese, como uma intervenção específica, para assinalar também os 44 anos da Revolução dos Cravos com um diálogo entre dois autores que, de forma mais direta e/ou indireta, trilharam os caminhos da liberdade.

Patente até 30 de junho de 2018.  Curadoria: Carlos Cabral Nunes. 

  

 

FREEDOM’S HOUSE - MÁRIO CESARINY | Getting here: Map | Hours & Admission: Tuesday to Saturday, 2:00 p.m. - 8:00 p.m. Free admission

Click here to view: Catalog | High-resolution Images

 

 EN | Cruzeiro Seixas and Valter Hugo Mãe get together on April 25 to open a new exhibition at Freedom’s House - Mário Cesariny.

“Collaborative.ly” shows the result of the meeting between these two renowned names of contemporary culture, highlighting an unpublished nucleus of 6 works done in a joint composition.
Inspired by the participatory processes, recurrent among members of the surrealist movement, staunch lovers of objective chance, of the pure psychic automatism and of the manifestations of the unconscious as a driving force of the artistic production, Cruzeiro Seixas and Valter Hugo Mãe have undertaken, for this exhibition, a joint creative path, where it is possible to emphasize the importance of the role of the poetic sensibility that inevitably unites them.
Although Cruzeiro Seixas has celebrated himself as the author of an eminently more plastic work, it is also public and declared his special devotion to poetry as a form of expression. He is not only author of poetry, but often it is what he uses to define his painting.
In a diametrically opposed position, it was through a composite diversity of works in the field of literary and poetic production that Valter Hugo Mãe became, in the eyes of the public, one of the most outstanding Portuguese authors of the present day. That was the dimension that first linked him to Cruzeiro Seixas, whose poetic work edited, once, as co-founder of the Quasi-editions.
A plastic work flourishes, however, in the spaces of the productive intimacy of Valter Hugo Mãe, where it has remained sheltered, to show itself very punctually. It is that construction that we are now allowed to see.
In addition to the collaborative compositions that are the direct result of this meeting and which are assumed as artistic and conceptual supports for a dialogue that the two artists propose to themselves and the Portuguese contemporaneity, this exhibition also focuses on the fruitful and individual artistic production of Valter Hugo Mãe.
We present his most intimately sheltered work and from Cruzeiro Seixas the one which since the foundation of Freedom’s House - Mário Cesariny (2013), has been inhabiting it.
The exhibition was thought from its genesis as a specific intervention to mark the 44th anniversary of the Carnation Revolution with a dialogue between two authors who, in a more direct and/or indirect way, walked the paths of freedom.
Until June 30, 2018. Curator: Carlos Cabral Nunes.